The Danish Pastry Shop: Aqui, não há pastéis de nata

The Danish Pastry Shop: Aqui, não há pastéis de nata

The Danish Pastry Shop: Aqui, não há pastéis de nata 680 453 Danish Pastry

Há pozinhos de amor em tudo o que se prova nesta pastelaria, idealizada por um casal luso-dinamarquês. Isso e os produtos selecionados fazem com que não se queira deixar nada atrás do balcão.

Confessamos, logo na primeira linha, 
o sobrolho carregado quando nos metemos a caminho de uma pastelaria dinamarquesa em Queijas. Confessamo-lo, para a seguir contar como tivemos de engolir todo 
o preconceito com que saíramos da redação. 
A Danish Pastry fica num sítio que não lembra 
o diabo, é verdade, mas pelo menos encontra-se lugar para o carro, não está a abarrotar, as pessoas não se amontoam nas mesas porque existe espaço entre elas, e a decoração é de inspiração nórdica. Mesmo que nada disto fosse assim, a viagem valeria a pena pelo que há no balcão.

Aqui não se veem pastéis de nata nem bolas de Berlim, avisamos já. Mas bolos de outras andanças, com vários carimbos de qualidade: a manteiga francesa, o chocolate suíço, o paté e os pães feitos na cozinha e o salmão curado por eles. Eles são o Filipe Pereira, 26 anos, e a Katrine Andersen, 24, um casal que se apaixonou na Dinamarca, num hotel de luxo onde ambos trabalhavam – ela na doçaria, ele nos pratos principais. Saíram de lá há meio ano, trocando Copenhaga por Cascais, com 
a ideia fixa de abrirem uma casa como esta. Os pais também cá estão para ajudar e esse cariz familiar sente-se, desde o atendimento ao carinho com que confecionam mil-folhas prensados, brownies, croissants, nougats, bolinhas de rum, folhado dinamarquês… E vamos parar por aqui, que tudo isto engorda só de se ler.

O brunch, servido a qualquer hora de qualquer dia, é um grande chamariz. Custa 
12 euros, satisfaz bastante o apetite e deixa-nos a suspirar por cá voltar. Um sumo espremido na hora e um cestinho com crostinis, feitos das aparas do pão para molhar num húmus de beterraba, entretém enquanto não chega o tabuleiro de mármore com mais delícias: iogurte com doce e crunchie, batatinhas sauté com tomates-cereja e duas sanduíches dinamarquesas (omeleta de cogumelos e salmão fumado). Com o chá ou o café, vem também um docinho à escolha. É um nougat, se faz favor.

O chefe Filipe Pereira prepara jantares para um mínimo de 10 pessoas, que se sentam numa mesa corrida enquanto veem preparar a refeição, composta por três pratos. Custa €25 por cabeça, sem bebidas (€10 por garrafa de vinho).

 

Fonte: Visão